Um dos aspectos mais legais da moda é que ela sempre sofre influência dos movimentos sociais, políticos e culturais de uma época. A roupa que vestimos tem o poder de passar uma mensagem, de mostrar um pouquinho da nossa personalidade e até o nosso gosto musical.

O grunge, também conhecido como seattle sound, surgiu no final da década de 80 no estado americano de Washington em Seattle.

Foi inspirado pelo hardcore, punk, pelo heavy metal e pelo indie rock. O termo grunge – que em seu sentido original significa “sujeira” ou “imundície” em inglês – descreve tanto o estilo visual (cabelo desgrenhado, roupas velhas e folgadas) de bandas e fãs, quanto o som saturado e distorcido das guitarras que dão o tom das músicas. Uma infinidade de bandas surgiu nessa época e por mais que os críticos tentassem encontrar uma unidade para os grupos surgidos, não existem características musicais, nem mesmo visuais, que coloquem estas bandas em um mesmo rótulo.

O grunge tornou-se comercialmente bem-sucedido na primeira metade da década de 90, na época, ninguém poderia imaginar que bandas tão anarquistas e barulhentas pudessem tomar conta do mercado pop mundial.  Mas foi exatamente isso que aconteceu em 1991, quando Nevermind, segundo álbum do trio Nirvana, derrubou ninguém menos que Michael Jackson do primeiro posto das paradas americanas, abrindo a trilha do megaestrelado para outras bandas do cenário underground de Seattle, como Pearl Jam e Alice in Chains.

O sucesso dessas bandas impulsionou a popularidade do rock alternativo e fez do grunge a forma mais popular de hard rock na época.

A estética grunge é despojada em comparação a outras formas de rock e muitos músicos grunge destacaram-se pela sua aparência desleixada e por rejeitarem a teatralidade em suas performances. Digamos que todos integrantes de bandas grunge e fãs usassem camisas de flanela, o que não é uma inverdade. Mas, em suas cidades, não somente os músicos vestiam-se assim, mas toda a população, visto que as flanelas eram o “uniforme” dos lenhadores que trabalhavam nas madeireiras que movimentavam a economia local.

O mundo da moda na época aproveitou a popularidade do cenário grunge para se promover, ele começa a criar novos modelos, inspirados no que os jovens estavam vestindo no seu dia-a-dia.

Os anos 90 foi o Golden Age da moda. A década foi marcada por desfiles inesquecíveis, e que mudaria a moda para sempre.

Um desses grandes desfiles que viria mudar a história da moda, foi o desfile da Perry Ellis, assinado por Marc Jacobs, em 1993. Marcs Jacobs foi o nome que levou o estilo grunge para as passarelas, a grunge collection, assinada por ele, foi uma das mais marcantes da história e também a mais marcante da carreira do designer.

Na época a coleção não foi muito bem aceita pelos mais influentes no ramo e também pelos jornalistas, condenaram o estilo de roupa que estavam vendo, diziam que os modelos eram inacabados, foi considerada pelos donos da marca, muito vanguardista, uma versão hippie e romântica do punk.

Marc desejava ver as modelos vestindo roupas como elas se vestiriam na rua, despreocupadas e um pouco mais desleixadas. Mas por causa dessa coleção grunge a Perry Ellis demitiu Marcs Jacobs.

O Grunge de volta

Grunge da nova década surge reinventado, mais feminino e com mais opções de cores e estampas. Ainda assim, ele não perde sua essência, com o ar “desleixado” que o tornou famoso há quase duas décadas atrás.

Desde 2013 já dava para perceber que muitas grifes já vinham desfilando alguns modelos inspirados no grunge. No inverno o estilo se consolidava ainda mais, nas passarelas e nos diversos e mais badalados sites de moda street do mundo era sempre marcante ver as camisas xadrez e os gorros vermelhos bem democráticos.

O estilo grunge é marcado pela sua aparência bagunçada e às vezes até obscura. O visual costuma ser um pouco cru e menos trabalhado, sem a menor preocupação se as roupas e acessórios vão combinar. É um dos estilos mais versáteis existentes no mundo da moda, podendo ser despojado, sofisticado e moderno ao mesmo tempo.

A camisa de flanela era traje compatível com a chuvosa Seattle. Mas ela desafiou o calor e ganhou os trópicos. A calça rasgada completava o look, acompanhando à risca as distorções sonoras.

O grunge atual vem com uma variedade maior de opções, já que a ideia é deixar o estilo um pouco mais “adulto” e ganhar em sofisticação. O bacana do estilo grunge é possibilitar a sobreposição de camadas de diferentes peças.

Para apostar no estilo, invista em: camisas xadrez, gorros, coturnos, jaquetas de couro, t-shirts estampadas, macacões, calças mais largas e jeans desgastado, com lavagens mais claras.